Thursday, October 6

“The Manchurian Candidate” (2004) de Jonathan Demme


“O Candidato da Verdade” é um remake de um clássico realizado por John Frankenheimer e protagonizado por Frank Sinatra em 1962.
Mote – eleições americanas vs apoios financeiros obscuros.
Imaginem um candidato (“Raymond Shaw”) à vice-presidência dos EUA cuja mãe Senadora (“Eleanor Shaw”) é obsessiva, manipuladora, e um pouco radicalista. A isto juntem memórias pouco esclarecedoras e sonhos perturbantes relativos à Guerra do Golfo de 1991, pela qual ganhou a Medalha de Honra do Congresso.
Raymond Shaw é nada mais que um fantoche canditado à Casa Branca, mas até que ponto…
Os sonhos e as memórias atormentam igualmente o capitão “Ben Marco” (Denzel Washington). Este esteve presente na emboscada, cujo salvamento valeu a Raymond a medalha, no entanto procura esclarecer a verdade e à medida que investiga, mais perigoso se torna. O filme conta com a participação de actores como Meryl Streep, fabulosamente má no papel de Senadora, Jon Voight (Senador Thomas Jordan), Liev Shreiber encaixando perfeitamente no fantoche Raymond e claro Denzel Washington que se transfigura filme após filme com uma classe invejável. O filme recomenda-se sem dúvida, só não chega a ser magnífico porque já estamos fartos de teorias de conspiração e por isso já nada nos surpreende!

4 comments:

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.
André Batista said...

um dos grandes filmaços do fim do ano passado. see ya :)

TF said...

Vi este filme apenas no cinema quando saiu, por isso a memória já não está muito fresca.
Tenho pena de nunca ter visto o original dos anos 60 para compará-los.
Lembro-me de achar o desempenho do D.Washington muito bom, mas quanto ao L.Schreiber não fiquei muito convencido. Tenho de o rever.
A M.Streep essa sim, foi a cereja no topo do bolo, adorei-a (como aliás em quase tudo o que ela faz). :)

Tzipporah said...

:)eu pelo contrário nuncnão gostava muito da M.Streep mas cheguei à conclusão que não via os filmes que valiam bem a pena. Quanto ao Shreiber não é realmente uma actuação por aí além...aliás é um pouco ofuscado pelos outros mas até que encaixa...mas é discutível claro!