Tuesday, April 26

“Shi mian mai fu” (2004) de Yimou Zhang



“O Segredo dos Punhais Voadores”, o mais recente filme chinês, falado em mandarim, uma língua imperceptível ao nossos ouvidos mas que tem definitivamente a sua beleza. A beleza do filme não fica pela sonoridade, é exponenciada através das belíssimas paisagens que dão cor à película. Cada cenário é melhor que o anterior e a cena final do filme é apoteótica. Como é próprio dos filmes chineses que nos chegam, temos sem dúvida cenas de luta excepcionais, com arte e dança à mistura. Parece paradoxal dizer isto mas há um enorme encanto e beleza nas lutas a que assistimos. A história fala-nos de um grupo rebelde “ A casa dos punhais voadores” que se opõe à dinastia regente, após a morte do seu líder aparece uma rapariga (“Mei”) disposta a assassinar o imperador, mas em contrapartida é “usada” para descobrir o novo líder da rebelião. No entanto, a história dá uma reviravolta (um pouco previsível) e é claro à mistura relações amorosas bastante dramatizadas, daí o final trágico, algo que lembra a tragédia grega.
O filme é belíssimo como me fartei já de referir, mas em termos de conteúdo não apresenta nada de novo, pois se nos centrarmos na história de amor...é igual a muitas outras, não deixa de ser bela, mas se o filme falha em algum lado acho que é aí. Apesar do final ser um pouco suspenso até cria alguma inovação e uma maior conexão do espectador que pensará no que realmente aconteceu.
Como actriz principal temos uma grande conhecida de filmes chineses, Ziyi Zhang (“Mei”), que fez filmes como Wo hu cang long (O Tigre e o dragão, 2000) e Ying xiong ( “Hero”, 2002). Acompanhando-a estão Takeshi Kaneshiro (“Jin”) e Andy Lau (“Leo”).

2 comments:

Uruk Riot said...

Adorava ter visto esse filme. E decerto que quando tiver a oportunidade assim o farei. Mas não posso deixar de reparar em algumas semelhanças nessa história com a história de “Herói”. O qual te aconselho vivamente a ver, pois tem todas as vertentes graciosas e belas de que falas, só que possui um fim que me surpreendeu bastante, e é baseado numa lenda que se crê que ocorreu na realidade. É fantástico.

Tzipporah said...

Já não és o primeiro a me dizer tal coisa, mas sou um pouco relutante a ver filmes com o Jet Li..já vi que tenho de melhorar esse aspecto!