Thursday, February 24

"O Aviador" de Martin Scorsese

Da minha parte pretendo começar em grande pelo filme do momento, “O Aviador” obteve 6 nomeações para os Globos de ouro tendo ganho 3 (melhor filme, melhor actor e melhor banda sonora por Howard Shore). Por hora estamos de olho nos Óscares, este filme obteve 11 nomeações e é previsto que receba a maior parte deles.
O filme estreou no passado dia 3 de Fevereiro nas nossas salas de cinema e retracta a vida do milionário texano Howard Hughes que tinha uma enorme paixão pela aeronáutica. Além disso foi realizador permitindo por isso entrar na teia de Hollywood e andar acompanhado com várias estrelas de cinema da época como Katharine Hepburn, Ava Gardner, Jean Harlow entre outras.
O filme é sem dúvida impressionante, principalmente pela história real de um Homem dominado por uma doença, que apesar das dificuldades tenta conseguir realizar os seus sonhos e vencer na história.
O Leonardo Di Caprio (Howard Hughes) interpreta um papel que exigiu bastante dele próprio, sem dúvida o representou com bastante afinco, sendo seu o mérito e o sucesso do filme. As actrizes que o acompanham: Cate Blanchett e Kate Beckinsale dão um contributo supremo para o filme, e até Alec Baldwin dá o seu toque especial.
É escusado dizer que John C. Reilly aparece como actor secundário, este actor parece ser imprescindível para qualquer realizador, nomeadamente para Scorsese, a sua personagem (Noah Dietrich) é o contabilista paciente do magnata do petróleo e acima de tudo o grande amigo. É importante referir que no filme a melhor coisa que depreendemos é que Howard Hughes esteve rodeado de bons amigos, verdadeiros amigos que estiveram sempre presentes independentemente de tudo e principalmente nas más alturas, apesar do galmour e corrupção habitual a que Hollywood sujeita.
Pessoalmente acho a atribuição dos óscares bem merecida, adorei a performance da Cate Blanchett, a não esquecer Alan Alda (Senador Brewster) que também está nomeado embora acho que não o irá receber.
Não sou nada fã do Leonardo mas acho que consegue aqui revelar que não é só o menino bonito de muitos mas que há também talento.
Para quem já viu o filme, um aparte, à realidade que está descrita, acho que as estrelas de cinema de agora agradecem as novas tecnologias , ninguém aguenta com aquelas lâmpadas no tapete vermelho.... Ah e graças a Deus que cá em Portugal bebemos leite de cartão, aqueles frascos cheios de....bem,são desconcertantes...
Para os mais curiosos temos as nomeações deste filme para os óscares:
- Melhor filme
- Melhor realizador (Martin Scorsese)
- Melhor actor (Leonardo Di Caprio)
- Melhor actriz secundária (Cate Blanchett)
- Melhor actor secundário ( Alan Alda)
- Melhor argumento original ( John Logan)
- Melhor desenho de guarda-roupa (Sandy Powell)
- Best film editing por (Thelma Schoonmaker)
- Melhor mistura de som
- Best art direction

6 comments:

TF said...

Como não vi o filme, não posso opinar em relação à actuação do L.DiCapiro. No entanto, acredito que seja boa, mesmo não sendo grande fã. É pena que ele seja sempre associado ao Titanic e ao seu espírito delicodoce.
Um estigma aliás partilhado (embora não tanto) pela Kate Winslet, uma actriz que tem vindo a subir bastante na minha consideração. (e.g., Finding Neverland)
Quanto aos Oscars, já não tenho muito interesse por eles dado que são guiados sobretudo por fenómenos de bilheteira e «interesses de bastidores». Acho inadmissível, por exemplo, o facto de não terem nomeado a Uma Thurman pelo Kill Bill. Chuveirada de sangue à parte, é um desempenho notável.

Tzipporah said...

Bem, respondendo a Tf aconselho a ver o filme, não por apenas estar nomeado para os óscares. Compreendo a sua "revolta" com esses prémios, mas infelizmente na vida há pouca coisa que não se rege por esses ditos interesses, teremos de ser nós a mudá-los no futuro. No entanto, não posso deixar de aguardá-los com uma certa curiosidade porque acho que cada vez mais essa tendência e bilheteira pode ser minimizada. Recordo os Bafta em que por ex o filme de Walter Salles sobre o Che Guevara ganhou alguns e também o filme Vera Drake (melhor actriz e realizador).
Pessoalmente não sou grande fã da Uma Thurman, o Kill Bill é um bom filme sem dúvida, mas sinceramente e permita-me discordar, não acho que seja um desempenho notável, tirando talvez um grande esforço físico e portanto de coordenação( k é de louvar) da actriz e n só.
Ok, divergências à parte (e ainda bem k assim o é) obg pelo seu comentário e espero ler + seus em breve.

TF said...

Na minha modesta opinião, os prémios BAFTA são mais coerentes de que os Oscars.
A minha «revolta» não é contra os prémios de cinema em geral, mas sim contra os Oscars em particular, apesar de também os acompanhar com curiosidade.
«THE MOTORCYCLE DIARIES» é aliás um óptimo exemplo...um filme com grandes méritos e que recebeu duas nomeações secundárias para os Oscars (ao contrário dos BAFTA que lhe prestaram a devida atenção), facto que mereceu a atenção da imprensa internacional por se tratar de um filme politicamente incómodo.

Tzipporah said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Tzipporah said...

Por acaso tive o previlégio de ver os BAFTA em directo(devia ter estado a estudar na altura, mas prontos)e realmente tens razão, são bem mais coerentes. E achei muito mau muitos dos nomeados não estarem lá, pressupondo que eles têm verbas para a viagem e estadia. Enfim...vai de encontro aos ditos "interesses".
Já agora tenho curiosidade em saber (tirando a Uma Thurman que já deu para perceber) qual foi o teu filme de eleição e o actor que para ti mais mereceu o título de o melhor de 2004!

TF said...

Não gosto muito de eleger melhores e piores, visto que os filmes têm valor em vários campos. É dificil meter tudo na balança.
Quanto à Uma Thurman, continuo a achar que ela devia ter sido nomeada. Mas eu não afirmei que ela era melhor e que merecia um Oscar.
A única coisa que posso dizer é que não estou descontente com a atribuição do Oscar à H.Swank, pois gostei muito do trabalho dela no Million Dollar Baby, um filme excepcional, de resto.