Monday, June 20

“Mr and Mrs Smith” de Doug Liman


O mais recente filme com Angelina Jolie e Brad Pitt traz ao ecrã uma história que poderá ser comum a muitos casais, nomeadamente a rotina do dia a dia, o automatismo e a falta de diálogo que os casais sofrem depois de anos de casamento. Casamentos estes que até têm algum amor, mas que subsistem no total desconhecimento da pessoa com quem se divide a cama. Isto não poderia ser mais verdadeiro quando isto é levado ao extremo por este casal, já que eles não são nada mais nada menos que dois assassinos profissionais que eventualmente acabam por se enfrentar. Este confronto acaba por ser um pouco a metáfora de que por vezes a violência e o amor têm uma linha muito ténue, lembrando por vezes o sadomasoquismo....bem já o velho ditado diz...”Quanto mais me bates mais gosto de ti....”
De qualquer forma trata-se de um filme light com algumas boas sequências, em que a comédia está presente e acaba por ser fundamental para contrabalançar com os tiros incessantes. É um filme para verificar que Brad Pitt ainda tem algum charme, apesar de que grandes filmes parecem longe...e que os dois actores fazem um bom par.
Para quem viu ou via “O.C. –na terra dos ricos” o filme tem também a participação de Adam Brody (o “Seth Cohen” na tal série).

2 comments:

Boreas said...

Arriscando-me a uma chuva de comentários, aqui está um filme que gostei de ver.

Sabia à partida que o filme tinha situações caricatas, mas ouvi algumas criticas a referirem-se como sendo sobretudo um filme de acção.

Da espectativa à realidade...honestamente não consigo olhar para o filme como sendo de acção, apesar de chuvas de balas, explosões, cenas violentas, lutas corpo a corpo espionagem, contra-espionagem e até lança rockets. E porquê?
Porque no meu ponto de vista o filme é uma excelente comédia que tipifica algumas familias modernas, com ambos os conjuges completamente independentes, cujo o matrimonio se deu de um modo quase abrupto( ou melhor uma noite de intensa paixão) e que simplesmente vivem juntos e não se conhecem nem tem filhos devido ao trabalho. Cada um deles tenta mostrar a aparecencia pelo qual o outro se apaixonou, como um papel frio e distante nada relacionado com o que realmente são. O filme inicia-se numa sessão de terapia conjugal onde eles discutem os seus problemas como qualquer casal desse tipo. Pelo meio finalmente o casamento torna-se insuportavel e ambos dão um grito de independencia que normalmente seria o divorcio. Aqui entra a parte hilariante...sendo ambos assassinos profissionais, terminam por resolver a sua crise de um modo explosivo destruindo restaurantes edificios os seus carros e casa. No final por força do destino( ou devo dizer dos caçadores das suas cabeças) acabam por descubrir os seus verdadeiros eus, e o verdadeiro matrimonio finalmente se inicia. Tal e qual um casal dos nossos dias.....sem as explosões...

A comparação de algumas situações extremas com comportamentos actuais dos casais é um dos melhores exercicios que se pode fazer durante o filme, que eu recomendo vivamente.

Tzipporah said...

Como eu vi o filme com a sua pessoa...só posso dizer que te divertiste imenso no filme...provavelmente haveria algo que te indentificasses ou quiça admirasses? bem..quiça....:)